Política de Cookies
quarta-feira, junho 19, 2024
Mais
    InícioColunasVida a DoisQuem é a protagonista do filme da sua vida?

    Quem é a protagonista do filme da sua vida?

    Quem nunca se sentiu inspirada ao assistir um filme com protagonistas que nos fazem sonhar com a expectativa de um relacionamento perfeito, não é mesmo?

    Além de nos trazer satisfação emocional, nos proporciona a geração de hormônios do prazer, tão quanto estivéssemos vivenciando o momento de fato, reproduzido nas telas. Já que é comprovado cientificamente que nosso cérebro é incapaz de distinguir as cenas que passam por nossos olhos de fatos reais ou filmes de cinema. Para o nosso cérebro, tudo o que vivenciamos, através das cenas assistidas e emoções geradas, através delas, se torna em nosso subconsciente, uma memória.

    Sendo assim, o maior desafio ao vivenciar uma cena assistida, é o de não criar expectativas baseadas em um personagem e espelhá-las em nosso companheiro. O que acaba acontecendo de forma inconsciente, grande parte das vezes.

    Então, qual é a melhor parte dos filmes, se não é o fato de proporcionar uma realidade alternativa mental para a criação de novos pensamentos e expectativas sobre a vida a dois? Bem, se fosse só isso, a graça acabaria no momento em que percebemos a vida real, onde inexistem relacionamentos perfeitos, o que de fato ocorre com boa parte dos casais.

    A graça real dos filmes está na inspiração que nos proporciona. E no olhar que podemos adquirir, de forma consciente, sobre cada história e características dos protagonistas, na reflexão sobre nosso próprio ponto de vista e como podemos trazer para a vida real o que mais admiramos em cada personagem.

    Você se lembra de alguns protagonistas fortes como: Neo e Trinity (Matrix), Jack e Rose (Titanic), Beatrice e Tobias (Insurgente), Neteyam e Jake (Avatar), Charlotte e George (Rainha Charlotte: Uma história Bridgerton), Landon e Jamie (Um amor para recordar), Tarzan e Jane (A lenda de Tarzan), Allie e Noah (Diário de uma paixão), Logan e Beth (Um homem de sorte) e Dawson e Amanda (O melhor de mim)?

    De ação e romance ao gênero drama, o que todos estes casais possuem em comum? Podem ser notados pela força de suas atitudes que fortalecem a relação do casal. E o que seria isso, exatamente?

    A demonstração de interesse mútuo na resolução de questões em comum, o companheirismo nos momentos percebidos de fragilidade do companheiro, o altruísmo em oferecer auxílio de forma desvinculada ao sexo, a confiança nas atitudes e escolhas do parceiro, a abdicação dos próprios interesses para o bem maior do casal, a demonstração de força interior proveniente do desenvolvimento da própria personalidade de cada indivíduo. Estes são alguns pontos que posso ressaltar que fazem destes, casais inspiradores!

    Como aplicar estes e outros pontos importantes em uma vida a dois, na prática?

    Existem muitas formas de harmonizar o relacionamento e mantê-lo em constante progressão na vida real. O primeiro passo vem de um querer mútuo de estar em constante evolução e fazê-lo com auto responsabilidade. Assumir o lugar do “eu-indivíduo” e entender o lugar do “eu-casal” em sua vida.

    O segundo é a prática da Comunicação Não Violenta (CNV), para avaliar as questões divergentes e mesmo o diálogo expresso no dia a dia para a comunicação rotineira, fortalecendo os laços entre o casal.

    O terceiro é assumir o papel da auto responsabilidade no próprio desenvolvimento. É quando paramos de apontar o dedo para o companheiro e apontamos para dentro, para os próprios desafios. Não de um lugar de culpa, mas de um lugar de questionadora. É desse lugar (e não de nenhum outro) que as respostas-chave para os desafios da vida a dois virão.   

    Estarei transcorrendo sobre estes temas mais a fundo nas próximas postagens, com dicas e práticas mais detalhadas para você e seu parceiro desenvolverem o melhor de si e do relacionamento a dois, através do autoconhecimento e aperfeiçoamento do “ser-casal”.

    As noivas que ainda não tiveram a oportunidade de assistir aos títulos citados acima, eu recomendo fortemente uma sessão pipoca com o parceiro, abraçadinhos no sofá, com muitas emoções fortes para todos os gostos e um delicioso diálogo pós-filme, sobre os momentos ou personagens aos quais cada um mais se identificou. Topa se permitir a experiência? Nos vemos no próximo post.

    Boas inspirações!

    Um abraço com carinho,

    Raquel Toledo

    Publicidadespot_img

    FAVORITAS

    Mais recentes